logo-plus-branco-peq-02

A Origem da Vida Na Terra E O Estudo da Busca Por Vida No Universo – Um Pacote de Referências Para Estudar Astrobiologia

Certamente um dos pontos mais intrigantes do estudo da astronomia é tentar encontrar vida em outro planeta, e com isso surgiu o que chamamos de astrobiologia. É uma das áreas mais empolgantes de estudo e com grandes desenvolvimentos. O Space Today preparou para você um pacote com o que há de mais moderno, recente e interessante no estudo relacionado com a astrobiologia. Mais de 30 artigos e o livro Lectures in Astrobiology inteiramente grátis e disponível para todos os assinantes da plataforma Space Today Plus Premium.

Antes da incorporação da ideia de geração espontânea por Jean-Baptiste de Lamarck na biologia evolutiva para explicar a primeira emergência da vida, a possibilidade de outros planetas serem habitados já era discutida, às vezes em detalhes consideráveis, por cientistas e filósofos. Essas especulações, mais frequentemente do que não, baseavam-se na ideia de um universo uniforme, mas com pouca ou nenhuma base empírica. Hoje, nossas abordagens sobre a vida no Universo mudaram dramaticamente; nem a formação de planetas nem a origem da vida são vistas como resultado de eventos aleatórios inescrutáveis, mas sim como resultados naturais de eventos evolutivos. A interconexão entre esses dois processos é evidente: entender a formação de planetas tem implicações importantes para nosso entendimento do ambiente terrestre primitivo e, portanto, para a origem dos sistemas vivos.

Embora seja tentador assumir que a emergência da vida é um processo inevitável que pode estar ocorrendo continuamente pelo Universo, ainda resta demonstrar que ela existe (ou existiu) em lugares além da Terra. Com exceção de Marte e algumas especulações sobre Europa, as perspectivas de vida em nosso próprio sistema solar foram fortemente diminuídas. Embora haja evidências de que o ambiente marciano inicial era mais ameno e talvez semelhante à Terra primitiva, hoje sua superfície é um deserto congelado, constantemente banhado por radiação ultravioleta de curto comprimento de onda. Esse ambiente altamente oxidante tornou qualquer biosfera hipotética extinta ou a limitou a poucos nichos subterrâneos restritos, onde parecem existir aquíferos salinos. Estou entre aqueles tristemente convencidos de que o equilíbrio das evidências sugere que a vida em nosso sistema planetário está confinada ao nosso próprio planeta. Como mostrado pelos debates provocados pelo anúncio de que o meteorito Allan Hills 84001 incluía vestígios de vida marciana antiga, também nos falta um consenso bem definido sobre os critérios pelos quais poderíamos rapidamente reconhecer evidências de atividade biológica extraterrestre.

O reconhecimento de que impactos de meteoritos podem ter levado a uma intensa troca de ejeções rochosas entre os planetas internos durante as fases iniciais do sistema solar levou alguns a discutir a possibilidade de que a vida em nosso planeta possa ter uma origem marciana final. É um tanto divertido ver que discussões sobre panspermia, ou seja, a transferência de organismos de um planeta para outro, são periodicamente ressuscitadas sem fornecer explicações detalhadas dos mecanismos finais que podem ter levado ao aparecimento da vida em ambientes habitáveis extraterrestres. É verdade que a alta resistência à UV de diferentes espécies de procariontes nas baixas temperaturas do espaço profundo, a probabilidade de transporte artificial ou direcionado de microrganismos por sondas enviadas a outros corpos no sistema solar e o reconhecimento da origem marciana de alguns meteoritos deram suporte adicional à hipótese da panspermia. No entanto, isso apenas desloca o problema para um local diferente, e a maioria dos pesquisadores prefere estudar a origem da vida dentro do arcabouço histórico de uma análise evolutiva que assume que ela ocorreu na Terra.

Como mostrado pelos capítulos que formam este volume, hoje em dia a genealogia da vida pode ser estendida até a origem dos elementos químicos, continua com a evolução das estrelas e a formação de planetas, e avança ainda mais com a síntese de compostos orgânicos encontrados em cometas e meteoritos, que mostram que durante o tempo de formação da Terra e de outros planetas a síntese de muitos compostos orgânicos que hoje associamos a sistemas vivos estava ocorrendo. Embora não saibamos como ocorreu a transição do não-vivo para o vivo, a análise filogenética dos genomas pode nos fornecer um registro histórico que provavelmente pode ser estendido antes da divergência das três linhagens celulares existentes. A maioria dos cenários modernos começa com moléculas orgânicas relativamente simples, agora conhecidas por estarem amplamente distribuídas, que são facilmente sintetizadas e hipotetizadas para sofrerem mudanças evolutivas adicionais, levando a sistemas auto-sustentáveis e auto-replicativos dos quais resultou a biologia baseada em DNA/proteínas atual. Embora muitas questões permaneçam abertas, é razoável concluir que a vida é o resultado natural de um processo evolutivo e que ela pode ter aparecido em outros lugares do Universo.

O renomado evolucionista americano George Gaylord Simpson uma vez escreveu que “a exobiologia ainda é uma ciência sem dados, portanto, não é uma ciência”. Podemos dizer o mesmo hoje sobre a astrobiologia? A ideia de que a vida é o resultado de um evento de chance rara foi substituída por uma narrativa evolutiva, segundo a qual os sistemas biológicos são o resultado de um processo gradual, mas não necessariamente lento, que começou com a síntese abiótica de monômeros bioquímicos e eventualmente levou a sistemas auto-sustentáveis e auto-replicativos capazes de sofrer evolução darwiniana. Não há razão convincente para assumir que tais processos ocorreram apenas na Terra. A escala de tempo para a origem e a evolução inicial da vida e a facilidade de formação de aminoácidos, purinas e outros compostos bioquímicos sob uma ampla gama de condições redutoras, juntamente com a abundância de moléculas orgânicas no espaço, falam por leis naturais propícias à emergência da vida em ambientes extraterrestres onde condições semelhantes prevalecem.

No entanto, o papel da contingência histórica não pode ser desconsiderado. Como o filósofo francês Pascal uma vez observou, se o nariz de Cleópatra fosse diferente, o curso da história poderia ter mudado. A evolução pré-celular não foi uma cadeia contínua e ininterrupta de transformações progressivas que avançaram constantemente para os primeiros sistemas vivos. Muitos becos sem saída pré-bióticos e falsos começos provavelmente ocorreram. Embora possa ser verdade que a transição para a vida a partir de sistemas não vivos não tenha requerido um conjunto bastante restrito de restrições ambientais, não podemos descartar a possibilidade de que mesmo uma modificação leve do ambiente primitivo poderia ter impedido o aparecimento da vida em nosso planeta. Por mais desagradável que essa conclusão possa ser, a vida pode ser um fenômeno raro e até único no Universo. De fato, hoje não temos evidências de vida extraterrestre, e não devemos esquecer que ela é como a democracia: todo mundo gosta da ideia e fala sobre ela, mas ninguém realmente a viu.

As especulações iniciais sobre a vida no universo careciam de fundamentação científica, mas as abordagens modernas são mais fundamentadas na biologia evolutiva. A interconexão entre a formação de planetas e a origem da vida é crucial para nossa compreensão. A ideia de que a vida é um processo universal inevitável ainda é especulativa. O ambiente passado de Marte pode ter sido propício à vida, mas as possibilidades de vida em Marte hoje são limitadas a habitats subterrâneos hipotéticos. O debate sobre a vida em nosso sistema solar é contínuo, mas tende a favorecer a singularidade da Terra.

O meteorito Allan Hills levantou questões, mas não forneceu evidências conclusivas de vida. Definir critérios para a vida extraterrestre continua sendo um desafio. O conceito de panspermia ganha atenção periodicamente, mas carece de explicações detalhadas.

O transporte dirigido de microrganismos em sondas espaciais é uma consideração na hipótese da panspermia. A origem marciana de alguns meteoritos adiciona intrigas a essa hipótese. No entanto, a pesquisa geralmente se concentra na Terra para a origem da vida. A genealogia da vida é extensa, alcançando a origem dos elementos químicos e a formação de estrelas. A síntese de compostos orgânicos durante a formação da Terra indica as origens da vida. O processo exato de como a vida emergiu do não-vivo ainda é um mistério. A análise genômica oferece uma maneira de traçar a história da vida até as primeiras linhagens celulares. A vida provavelmente evoluiu a partir de moléculas orgânicas simples amplamente presentes no universo. A evolução dessas moléculas em sistemas complexos e auto-replicativos é um foco chave. A vida é cada vez mais vista como uma inevitabilidade evolutiva, não um acontecimento aleatório. A possibilidade de vida em outros lugares do universo é apoiada pelo entendimento científico.

A visão de Simpson sobre a exobiologia reflete o ceticismo passado devido à falta de evidências. A astrobiologia agora se baseia em um arcabouço evolutivo para entender a vida. A evolução gradual dos sistemas biológicos é central para a astrobiologia. A síntese dos blocos de construção da vida é vista como parte de um processo natural. A universalidade desses processos sugere o potencial para a vida extraterrestre. O papel do acaso e das condições específicas na emergência da vida é reconhecido. A raridade da vida no universo permanece uma possibilidade devido às condições únicas da Terra. A ausência de evidências de vida extraterrestre modera a especulação. A fascinação pela vida extraterrestre contrasta com a atual falta de evidências. As condições iniciais do universo eram propícias para a formação de compostos orgânicos. A transição de moléculas orgânicas para organismos vivos é uma área-chave de pesquisa. A astrobiologia continua a explorar o potencial de vida além da Terra, apesar das incertezas.

A busca por vida extraterrestre é impulsionada pela curiosidade humana e pelo desejo de entender nosso lugar no universo. A exploração de Marte e a investigação de luas como Europa oferecem pistas potenciais, mas até agora, a Terra permanece o único lugar conhecido onde a vida floresceu. As missões espaciais e a pesquisa astrobiológica continuam a expandir nosso conhecimento, mas a questão da vida além da Terra permanece uma das questões mais intrigantes e não resolvidas da ciência.

Em conclusão, a astrobiologia representa um campo interdisciplinar dinâmico que combina elementos da astronomia, biologia, química, geologia e outras ciências para explorar a questão fundamental da vida no universo. Ela desafia as noções tradicionais e expande nossa compreensão sobre as possibilidades da vida, não apenas na Terra, mas em todo o cosmos. A busca por vida extraterrestre, embora ainda sem resultados definitivos, continua a ser uma jornada científica empolgante, cheia de possibilidades e promessas para descobertas futuras.

LINK PARA BAIXAR TODO O MATERIAL:

https://drive.google.com/drive/folders/1CLhluVziRtbU9aSwUJIugHPe1PDRMcDf?usp=sharing

4 respostas para “A Origem da Vida Na Terra E O Estudo da Busca Por Vida No Universo – Um Pacote de Referências Para Estudar Astrobiologia”

  1. Excelente artigo, mas ainda acho que a vida em outro sistema solar será um desafio a ser batido, pois qual seria a razão da expansão do universo. Quem viver verás!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *